Em um momento em que as tecnologias se renovam constantemente e os hábitos de consumo se transformam com enorme velocidade, as incertezas e as mudanças se tornaram constantes no mercado. Principalmente no que se refere aos tipos de liderança

O “caótico e incerto” é o novo “normal”, e o termo VUCA (do inglês: volatile, uncertain, complex and ambiguous) nunca fez tanto sentido como agora. 

Por isso, mais do que nunca, as empresas precisam saber atrair, inspirar e formar novos talentos. Já que o momento atual pede cada vez mais uma perspectiva multifacetada, com uma diversidade de olhares e experiências capazes de resolver as questões mais complexas das relações de consumo de bens e serviços – estas, como já dito antes, sempre em constante mutação. 

E, sem dúvida alguma, é nesse aspecto em que mais pesa o estilo de liderança a ser adotado pelo gestor. Saber aproveitar e desenvolver os talentos e habilidades de cada colaborador, para diferentes perspectivas, está entre os ingredientes principais de uma receita de sucesso.

Deseja entender melhor sobre a importância de uma boa liderança, quais características são essenciais em um líder e os principais tipos de liderança? Então continue a leitura!

A importância e características de uma boa liderança

Existem diversos tipos de liderança, entretanto, características devem ser desenvolvidas para se tornar um bom líder.

Quer ser um bom líder? Mais: quer ser um líder de sucesso? Então, atenção: é preciso saber como se adaptar às novas e constantes exigências para conseguir crescer.

Mas, quando falamos em adaptação, não nos referimos somente à capacidade de criar soluções para o crescimento de uma empresa (claro, isso também conta muito). Mas é na gestão eficiente de pessoas e no (bom) uso dos recursos humanos à disposição, que está o recurso mais valioso de um verdadeiro líder moderno. 

Além disso, vale ressaltar um ponto importante: os líderes devem ter uma visão objetiva dos resultados que desejam alcançar com sua organização – seja no curto, médio e longo prazo. 

E, sobretudo, eles devem, também, ter a capacidade de se comunicar bem com todos os níveis hierárquicos e demonstrar um espírito de equipe e colaboração. 

Aliás, uma boa comunicação tem sempre um papel chave em qualquer relação – sem ela, teremos equipes à deriva, sem saber bem onde chegar ou como chegar.

Além disso, é preciso estar sempre antenado às tendências do mercado e aos fatores que podem ter influência sobre suas decisões. 

Líderes que conseguem reunir informações de forma ágil estão mais preparados para tomar decisões mais precisas. E ter agilidade é fundamental para sobreviver nesse ambiente tão fluído, em que a cada dia um novo desafio pauta nossas ações diárias. 

Abaixo, veja mais detalhadamente outras características essenciais em uma liderança.

1. Técnica X vivência pessoal

Também é importante considerar que, atualmente, para os novos líderes, os conhecimentos técnicos são muito valiosos, mas o desenvolvimento de qualidades interpessoais – também conhecidas como soft skills – são o grande desafio e uma das maiores armas quando o assunto é liderança. 

Por meio da personalidade, das aptidões mentais, emocionais e sociais é que se obtém o engajamento, a motivação e a produtividade de uma equipe. Sendo assim, vivência, autoconhecimento e empatia podem ajudar no fortalecimento dessas competências.

2. Paixão e entusiasmo

A paixão pelo que se faz é capaz de inspirar e entusiasmar uma equipe como nenhum outro motivador – ou dificilmente esses líderes conseguirão obter os resultados desejados e levar cada membro do seu time a dar o seu melhor independentemente da situação. 

3. Foco no ambiente de trabalho

Embora falemos sempre de empresas, é preciso ter em mente que uma empresa é feita de pessoas – que terão origens, vivências, objetivos e necessidades diferentes. 

Dessa forma, o desafio de um líder gestor também consiste em unir essas pessoas, com o que cada uma pode trazer de melhor, para alcançar um objetivo em comum.

Mas como fazer isso? 

Para início de conversa, é preciso trabalhar para criar um bom ambiente de trabalho para que a equipe possa ter um bom rendimento. A cobrança por resultados pode acontecer, mas a microgestão de atividades deve ser evitada. 

Afinal de contas, ninguém gosta de ser cobrado insistentemente. E se o líder opta por centralizar todas as decisões e monitorar constantemente as tarefas da equipe, isso acaba tendo o resultado inverso. 

Sobretudo, é preciso dar espaço para que os colaboradores desenvolvam as atividades conforme sua capacidade, experiência e escopo de trabalho, incentivando a autogestão e o comprometimento e a responsabilidade para com as tarefas individuais e da equipe.

Agora que você conheceu algumas das principais características de um bom líder, vamos falar sobre os estilos de liderança. Ao conhecê-los, você entenderá ainda melhor como exercer a liderança de forma eficaz de acordo com cada objetivo traçado.

Conheça os tipos de liderança 

Existem diversos tipos de liderança, cada um com suas características.

Há, atualmente, uma grande variedade de tipos de liderança e é certo que o estilo mais apropriado a se seguir vai depender de alguns fatores, como a função do líder, do perfil dos colaboradores e da situação e dos objetivos a serem alcançados pela organização – seja em um departamento específico, seja na empresa como um todo. 

E, claro, cada tipo de liderança tem suas vantagens e desvantagens e podem ou não se adequar a uma ou outra situação.

A seguir, preparamos uma lista com as características dos tipos de liderança mais comuns e mais usados atualmente. 

1. Liderança autocrática

O estilo autocrático é um dos mais antigos e talvez esteja com os dias contados nas empresas modernas. Pois, esse estilo de liderança é centrado em uma única figura de poder

Por muito tempo esse estilo fora classificado enquanto o mais eficiente para a tomada de decisões rápidas, principalmente em meio a grandes crises. Além disso, acreditava-se que os trabalhadores seriam inspirados pelo espírito e visão empreendedora de um grande chefe. 

Entretanto, a liderança autocrática detém toda autoridade e responsabilidade, e cabe aos subordinados somente acatar e implementar as decisões, sem espaço para discussão das questões. 

E assim, além de não se desenvolverem profissionalmente, os colaboradores se sentem constantemente desvalorizados e desmotivados, pois não são ouvidos e raramente suas experiências são levadas em conta pelo gestor.

Sendo assim, essas situações desestimulam a criatividade e inovação nas organizações, vantagens competitivas essenciais para aqueles que desejam estar à frente na concorrência do mercado atual. 

2. Liderança transformacional

Dentre os tipos de liderança esse é o estilo em que os líderes motivam os colaboradores a buscarem resultados indo além de suas capacidades

Por conta disso, a abordagem tende a ter seguidores mais comprometidos e satisfeitos e, de modo geral, trazem mais resultados às empresas

O foco dessa estratégia de liderança está em possibilitar que as equipes sejam sempre criativas e com olhar para o futuro. Para que assim, encontrem as melhores soluções para os problemas e demandas do trabalho. 

Por conta disso, esse estilo é uma das abordagens que vêm sendo mais pesquisadas e debatidas. Afinal, os líderes e estudiosos do assunto estão em busca dos melhores métodos de gestão que possibilitem desenvolver tanto o indivíduo quanto a equipe.

De forma geral, na abordagem transformacional todos participam e se responsabilizam pelos resultados. Aqui, o microgerenciamento deve ser esquecido, e as equipes também devem estar presentes desde o início da formulação dos planos estratégicos. 

Nesse sentido, os líderes devem permitir que seus liderados tenham espaço para tentativa e erro em suas soluções, para que assim consigam compreender e alcançar a melhor proposta para o produto final. 

Portanto, é preciso que os gestores desenvolvam suas capacidades para lidar com crises e emoções, pessoais e de sua equipe. E além do reconhecimento de desempenho, o ideal é que também valorizem o empenho e dedicação de cada um durante o projeto. 

E para que tudo isso aconteça, os pilares para a melhor execução da liderança, transformacional estão na disponibilização de ferramentas necessárias para o trabalho e uma comunicação aberta e transparente

3. Liderança situacional

A liderança situacional faz parte de uma teoria desenvolvida em 1969 por Paul Hersey e Ken Blanchard, e diz respeito a uma abordagem que procura se moldar de acordo com a variação das situações e problemáticas da empresa.

Ou seja, nesse estilo não existe o pensamento de que uma abordagem seja mais eficiente que outra. O que prevalece é a busca pelo desenvolvimento de habilidades organizacionais que estejam adequadas a cada momento e contexto

E tudo isso exige que os gestores tenham intensa dedicação e análise de seus objetivos e capacidades dos indivíduos da equipe. Nesse sentido, é preciso que possuam intenso conhecimento a respeito do nível de maturidade de cada membro da equipe, para que entendam a forma mais efetiva de conduzi-los.

4. Liderança democrática

Este estilo, também conhecido como liderança participativa ou compartilhada, é uma forma de liderança na qual os membros de determinado grupo assumem um papel mais preponderante e atuante no processo de tomada de decisão. 

É um estilo em que a atuação do líder é construída em torno da ideia de consenso e colaboração, com base em princípios como escuta e avaliação conjunta. É uma maneira capaz de criar um ambiente em que os funcionários se sentem mais valorizados e comprometidos com o alcance dos objetivos organizacionais. 

Nesse contexto, é bastante importante que o líder saiba agir como um mediador para garantir que quaisquer problemas entre os subordinados sejam resolvidos rapidamente.

Exercendo a liderança da melhor maneira de acordo com as estratégias da empresa

Adaptar seu estilo de liderança aos objetivos da empresa é o primeiro ponto a ser considerado na hora de decidir qual a melhor forma de exercer a liderança. 

É, também, preciso levar em conta que a natureza da liderança está em constante evolução. Se há 10 ou 20 anos havia um jeito de liderar, esse mesmo jeito já não é eficaz atualmente – levando em consideração as características não apenas das empresas, mas também do perfil dos colaboradores nas últimas décadas.

Desde os anos 2000, a figura tradicional do “chefe” que manda e nunca é questionado vem sendo aposentada na maioria das empresas. 

Agora, os novos líderes precisam de alta capacidade de análise situacional – ou seja, precisam olhar o quadro todo e como cada ação vai influenciar dezenas de outras num efeito em cascata. 

E mais: é exigido que os líderes tenham respostas cada vez mais rápidas, não importa o tamanho das adversidades a serem enfrentadas. 

E então, gostou do conteúdo sobre os tipos de liderança? Esperamos que ele lhe ajude a construir uma liderança eficaz. Esse é o momento para o bom líder aprender a gerenciar melhor seus comportamentos e alcançar o sucesso.

Aproveite e compartilhe o artigo em suas redes sociais para auxiliar outros profissionais. Compartilhe conhecimento!

Gostou? Compartilhe!

Por: Fernanda Capella

Coordenadora de Marketing de Conteúdo, copywriter, especialista em conteúdo de performance e comunicação. Amante de tecnologia, negócios, café e gastronomia.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.