O programa de estágio é uma grande oportunidade para as empresas desenvolverem novos talentos. Assim, as organizações estarão treinando uma pessoa do zero, ou seja, alguém que vai estar pronto para aprender a trabalhar.

Dentro deste programa, as empresas têm investido cada vez mais em gestão de benefícios para esse grupo de profissionais. E isso tem gerado inúmeras vantagens para os empregadores e estagiários.

Neste artigo, você vai saber qual é a relação entre a gestão de benefícios e os programas de estágio. Vamos lá?

Programas de estágio e gestão de benefícios: como funcionam?

O programa de estágio tem por finalidade permitir que os novos profissionais apliquem o conhecimento obtido na faculdade dentro de uma empresa. Ademais, essa contratação de um profissional aprendiz é garantido pela Lei 11.788/2008 – falaremos sobre ela mais à frente.

A função de um estagiário na empresa é aprender a trabalhar na área em que ele está sendo formado. Portanto, as tarefas empregadas a ele devem ser voltadas nesse sentido.

Algumas empresas acabam tendo uma ideia diferente do que um estagiário deve fazer na empresa. A principal função desse profissional aprendiz é realizar atividades que tenham a ver com a área estudada.  

Assim que uma empresa decide contratar um estagiário, os gestores precisam ajudá-lo a se desenvolver profissionalmente, sem deixá-los deslocados e sozinhos em suas tarefas na empresa. 

Qual deve ser a postura dos gestores em relação ao estagiário?

  • Os gestores devem contratar um estagiário que tenha o perfil desejado da empresa, ou seja, esteja em um curso que tenha a ver com a área de atuação da organização;
  • Espera-se que o gestor delegue um líder para ajudar esse estagiário a se reportar sobre a suas atividades; 
  • A empresa deve treinar esse novo colaborador, sempre supervisionando e dando feedbacks sobre o que está sendo feito;
  • Respeitar o estagiário, dando-lhe funções pertinentes ao que ele precisa aprender;
  • Possibilidade de efetivar esse estagiário.

Espera-se do estagiário

  • Comprometimento com as tarefas propostas, sendo o programa de estágio remunerado ou não;
  • Que ele mostre interesse nas atividades a serem desenvolvidas, respeitando o seu limite e a carga horária do estágio;
  • Que as suas funções na empresa não atrapalhem a sua carga de estudos na faculdade;
  • O estagiário deseja ser efetivado ao final do período.

Falar sobre a gestão de benefícios dentro do programa de estágio significa que a organização se preocupa em oferecer uma remuneração diversificada. Assim, além do salário que é pago mensalmente, os colaboradores contam também com plano de saúde, vale-alimentação, etc. 

Oferecer esses proventos faz com que o funcionário (e estagiário) trabalhe com mais entusiasmo e motivação.  

Quais benefícios podem ser ofertados ao estagiário? 

Os benefícios oferecidos aos estagiários devem estar de acordo com a Lei, mas também com as políticas da empresa. Tudo deve ser estabelecido em um contrato específico do programa de estágio. Entre os principais direitos assegurados pela legislação estão: 

  • Vale-transporte; 
  • Vale-refeição;
  • Seguro saúde.

A bolsa-auxílio não é obrigatória ao estagiário, mas se a empresa deseja fornecer, ela entrará como um benefício. 

Carga horária de até 30 horas semanais, com possibilidade de redução em semana de provas e exames

De acordo com a Lei do Estágio n° 11.788 / 2008, o estagiário só pode trabalhar 30 horas por semana, que é seis horas por dia (segunda a sexta).

Isso não só ajuda o profissional a se acostumar com a rotina de trabalho,como também permite que ele cumpra a sua grade curricular na faculdade. 

Recesso de 30 dias a cada 12 meses de estágio desenvolvido

Vale-transporte, caso o estágio não seja obrigatório

Após completar um ano de contrato, o profissional poderá tirar férias de 30 dias, de preferência que sejam no mesmo período das férias na faculdade.

Apólice de seguro, com valores compatíveis ao mercado 

O seguro é obrigatório de acordo com a Lei do Estágio, no valor de R$ 10.000,00 a R$ 20.000,00 por estagiário. 

O objetivo da apólice é garantir proteção contra os acidentes pessoais e enquanto ele estiver exercendo as suas atividades na empresa.

O que o seguro cobre? 

  • Morte por acidente;
  • Invalidez total ou parcial do estagiário devido a acidentes;
  • Custos hospitalares.

Como estruturar um bom programa de estágio?

O programa de estágio deve ser atrativo e de acordo com a legislação trabalhista. Por isso, a empresa precisa definir quais são os perfis de estagiários adequados a cada cargo. Veja como estruturar essa prática em sua organização: 

1. Crie um padrão de recrutamento e seleção de estagiários, definindo quem ficará responsável pelas contratações;

2. Estabeleça um budget para o processo seletivo, qual o valor a ser gasto com remuneração e benefícios aos estagiários;

3. Identifique os perfis que mais se encaixam na empresa, o que eles desejam e como a empresa pode se beneficiar do estágio:

  • Qual a idade desejada dos candidatos?
  • Em que curso e faculdade eles precisam fazer para serem aceitos no programa?
  • Cidade ou região em que moram.


4. Como serão feitas as entrevistas com os candidatos: online ou presencial? Haverá a necessidade de usar dinâmicas de grupo, etc. Faça a triagem dos melhores perfis em seguida

5. Quanto maior a empresa for, mais estagiários ela poderá contratar. Por isso, aposte na divulgação das vagas de estágio nas redes sociais e no site da organização. 

6. Escolhido o perfil ideal de estagiário, é hora de contar a boa notícia! Fazer uma chamada de vídeo bem cativante pode levantar o ânimo da equipe e da pessoa que está entrando agora na empresa. 

Mas não pára por aqui: o programa deve ser constantemente aperfeiçoado para fazer cada vez mais novos talentos na empresa.  

Lei do Estágio

Antes pautada na Lei nº 6.494/1977, a Lei do Estágio passou por atualizações e elas foram acrescidas na Lei nº 11.788/2008. 

O objetivo desta Lei é estabelecer direitos e deveres de empresas, estagiários e Instituições de Ensino, em um contexto trabalhista.  

Um estágio não é considerado um emprego, portanto não há vínculo empregatício entre as partes. Assim, quando uma empresa o contrata, estará contribuindo efetivamente para o seu crescimento como profissional.  O compromisso entre estagiário e empresa pode vigorar por dois anos apenas. 

O artigo 9º da Lei do Estágio determina quem pode contratar estagiários:

  • Pessoas jurídicas privadas (até mesmo os microempreendedores individuais) e órgãos públicos Federais, Municipais ou Estaduais.
  • Profissionais Liberais, desde que tenham formação superior e sejam registrados nos órgãos e conselhos competentes (Conselho Regional de Medicina, Odontologia, Advogados, etc).

Ao ser contratado como estagiário, o indivíduo deve seguir as seguintes normas:

  • Manter a frequência na faculdade ou curso profissionalizante;
  • Assinar o contrato de estágio, sendo supervisionado por um profissional da Instituição de Ensino e na empresa.

Pensando nisso, o iFood criou o melhor programa de benefícios do mercado. Com ele, você proporciona tudo o que há de melhor aos colaboradores e garante uma motivação maior na equipe. Vem ver como ele funciona na prática, clicando aqui.

Gostou? Compartilhe!

Por: Larissa Trento Oliveira

Formada em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo, Larissa é BP no iFood há dois anos e tem paixão por trazer impacto diretamente no desenvolvimento de pessoas com sua profissão e, como consequência, agregar valor para o business. Mãe de pet de carteirinha, é amante de corrida e exercícios físicos, principalmente quando envolve passear com o Zeca, seu border collie. Larissa já atuou como BP do time iFood Colômbia, México, iFood Shop, Marketing e agora atua como ponto focal do RH para crescimento do iFood Benefícios.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.