As empresas são feitas de gente. É sempre bom lembrar disso, não? Essa realidade se estende para as relações estabelecidas no dia a dia e é inevitável que o temido conflito organizacional apareça em determinados momentos e exija a devida atenção do gestor. 

Sendo assim, é fundamental que os líderes estejam preparados para lidar com esses contratempos, afinal, todos os tipos de relação estão sujeitos a desacordos, sejam pequenos ou mais sérios. 

Alguns desses conflitos são comuns em ambientes corporativos e, neste post, abordaremos quais são eles e como buscar a melhor solução para resolvê-los. 

Acompanhe o artigo e saiba mais sobre esse tema tão importante para a saúde das relações de trabalho!

O que é um conflito organizacional?

É o conflito resultante de divergências dentro do ambiente corporativo ou organizacional. Ele se origina das dinâmicas de trabalho, que estão em constante mudanças e muitas são externas aos acontecimentos da empresa. 

Portanto, não são discordâncias fundamentadas em princípios e valores pessoais, embora, muitas vezes, essas questões interfiram nas relações profissionais e empresariais.

Quais são os tipos de conflitos organizacionais?

Existem três tipos de conflitos mais frequentes dentro das empresas:

  • falhas na comunicação interna;
  • escassez de processos;
  • clima organizacional nocivo.

Vale destacar que esses são os mais encontrados nos mais variados segmentos, de todo porte. A seguir, falaremos com mais detalhes sobre cada um:

Falhas na comunicação interna

É preciso que a comunicação dentro da empresa seja sempre bem estruturada para evitar o conflito organizacional.

A comunicação interna de uma organização deve ser sempre bem estruturada. Quando esse aspecto é deficiente, as informações se desencontram e isso interfere nas decisões, levando-as a conflitos de interesse entre setores da companhia. 

É a mesma dinâmica do “telefone sem fio”, em que se verifica, no final, uma história completamente deturpada do que foi contado no início.

Diante disso, é importante escolher meios de comunicação que integrem todos os departamentos da empresa e promovam uma linguagem objetiva, eficaz e segura

Por isso, é extremamente válido investir em ferramentas de comunicação inovadoras e ágeis e, de preferência, com uma equipe especialmente designada para trabalhar apenas nesse ponto.

Escassez de processos

A escassez de processos também é um tipo de conflito organizacional. Da mesma forma que a comunicação interna integra e harmoniza as equipes de trabalho, a gestão dos processos precisa ser bem definida, de maneira a contribuir para que novos conflitos sejam evitados.

Sendo assim, é importante investir no gerenciamento de tarefas de maneira estratégica para que as atividades sejam executadas com a fluidez necessária para o alcance satisfatório dos resultados.

Clima organizacional nocivo

Esse é, provavelmente, o mais comum e interfere diretamente nos processos, causando entraves e muita rotatividade de pessoal (turnover), que tende a aumentar se as condições da empresa não melhoram. 

Se uma organização não aposta em estratégias para promover bom entrosamento entre os colaboradores, o conflito organizacional é garantido e os desentendimentos são cada vez mais constantes.

Por isso, as ações que contribuem com um clima organizacional amigável e harmonioso são indispensáveis. Dentre elas, é fundamental fornecer feedbacks pontuais e reconhecer os esforços dos funcionários. Além disso, as empresas podem:

  • Criar planos de carreira como forma de incentivo;
  • Fazer pausas para descompressão;
  • Promover premiações;
  • Comemorar datas importantes;
  • Promover conversas mais amistosas entre os colaboradores e gestores.

Essas e outras maneiras de valorizar os funcionários como pessoas tendem a fazer do local de trabalho um lugar para onde as pessoas queiram ir com satisfação, e não por obrigação. Isso faz toda a diferença na produtividade e rentabilidade dos negócios.

Quais são as principais causas de conflitos organizacionais?

São diversos os motivos que causam conflitos organizacionais.

Competitividade, opiniões opostas, disputas por poder, discrepâncias no desempenho e problemas emocionais, normalmente, são apontados como os motivos mais frequentes que afetam colaboradores e gestores nas empresas. 

Geralmente essas causas de conflitos organizacionais são atribuídas à má comunicação e dificuldades para lidar com as emoções, principalmente as negativas.

Outras causas costumam ser ligadas aos prazos irreais, mudanças repentinas de processos, metas impossíveis ou divergentes, indisponibilidade de recursos, imposição de novas regras, restrições, lideranças tóxicas e muitas outras. 

As causas dos conflitos organizacionais quase sempre estão interligadas, mas a boa notícia é que existe solução.

O que fazer em um conflito organizacional?

A primeira providência para lidar com os conflitos organizacionais é tentar mediar as incompatibilidades que se apresentam por meio da gestão de conflitos: um conjunto de processos e métodos que servem para administrar as situações de impasse. 

O objetivo é diminuir o impacto negativo causado e transformar o conflito em algo produtivo.

O que fazer para minimizar os conflitos organizacionais?

Existem algumas boas práticas que podem ajudar os gestores a minimizar cada vez mais os conflitos organizacionais da empresa. Confira:

Identifique que tipo comportamento pode ser aceitável

Esse é um importante primeiro passo a ser dado. É necessário saber e expor com clareza o que é esperado dos colaboradores dentro da empresa. Isso inclui o estímulo da contribuição com o trabalho em equipe, o desenvolvimento de liderança e gestão de talentos. 

É necessário, ainda, descrever claramente o trabalho que deve ser desempenhado pelos funcionários, para que eles saibam o que cabe a cada um deles. Além disso, uma cadeia de comando bem articulada permite uma comunicação mais eficaz.

Procure acolher o conflito organizacional

Quando é inevitável enfrentar um conflito que já se instalou, a primeira coisa a se fazer pode ser acolhê-lo. Desviar do problema, fingindo que nada aconteceu, pode piorar a tensão. 

Sendo assim, o melhor a fazer é lidar com a situação desagradável com o máximo de serenidade, compreensão e assertividade.

Ao mediar, esclarecer e enfrentar atritos, é possível fazer uma espécie de “limpeza” para que os aborrecimentos sejam dissipados e não se incorporem no trabalho rotineiro.

Procure a causa raiz

Todos podem errar, porém, não é interessante se concentrar no erro. Encontrar a causa principal que provocou o conflito organizacional é essencial. Ao optar por esse caminho, fica mais fácil dissolvê-lo e evitar que ele se repita.

Para tanto, é possível investigar se o funcionário que cometeu o engano estava ciente do que fazia, ou se a troca de informações estava contextualizada, dentre outras medidas que tragam a verdade à tona, sem punir ninguém.

Os conflitos organizacionais podem ser uma oportunidade

Os conflitos organizacionais também podem ser uma oportunidade de obter ideias inovadoras.

As discordâncias geralmente são vistas com desconfiança e como algo negativo, no entanto, mudar o ângulo da questão pode ajudar a enxergar um conflito organizacional como uma oportunidade de aprendizado. 

Aí pode estar um potencial para o desenvolvimento de ideias inovadoras que tendem a alavancar a dinâmica das atividades, muitas vezes, já estagnadas.

Incentive o diálogo

Dialogar é dar espaço para que as pessoas se expressem e exponham seus pontos de vista, suas angústias, dúvidas e sugestões. É um excelente antídoto contra atritos e sentimentos oprimidos.

É bom lembrar-se de que assuntos não resolvidos e guardados para si podem vir à tona da pior forma.

Então, procure proporcionar momentos de estímulo à conversa, troca de ideias, feedback periódico e outras interações entre as equipes da empresa. Essa é uma excelente maneira de construir times coesos e motivados. 

Quando não há esses espaços, aumentam muito as chances de se criar uma atmosfera tóxica no ambiente de trabalho, gerando prejuízos para a produtividade.

Ouça, cultive a empatia e a neutralidade

Ouvir é o mesmo que prestar atenção a tudo o que é dito, percebendo o comportamento da pessoa e associando ao que ela diz. Dessa forma, você exercita a empatia, colocando-se no lugar do colaborador a fim de compreender suas motivações. 

Com a imparcialidade ou neutralidade, você deixa de assumir qualquer um dos lados do conflito organizacional e toma a atitude que for necessária com racionalidade.

Para ser um bom gestor é necessário saber reunir essas qualidades toda vez que uma situação conflituosa exigir alguma atitude. 

Toda vez que dois ou mais funcionários trouxerem algum problema, o ideal é ouvir com atenção cada lado, percebendo de que forma cada um é afetado. Assim, a solução se apresenta da maneira mais justa e correta.

Benefícios podem ser um suporte

Já sabemos que uma empresa que oferece benefícios conta com funcionários mais felizes e, consequentemente, mais produtivos. 

O iFood tem diversos benefícios, como o iFood Refeição, que podem ajudar a sua empresa a contribuir para um clima organizacional mais tranquilo entre os colaboradores e evitar os conflitos.

Administrar um conflito organizacional pode ser uma tarefa de múltiplas habilidades. Algumas pessoas já nascem com certo talento para mediar tensões e conseguem facilmente assumir posições de liderança sem tanto esforço. 

No entanto, a maioria de nós precisa se esforçar um pouco mais e é sempre bom aprimorar as capacidades, não é mesmo? Nesse sentido, aprender como gerir conflitos organizacionais e lidar com pessoas no ambiente de trabalho é, sim, uma ótima oportunidade de crescimento profissional.

Se você se interessou pelo assunto, entenda como pode ser útil saber como aplicar comunicação não violenta no ambiente de trabalho!

Gostou? Compartilhe!

Por: Fernanda Rodrigues

Analista de Marketing de Conteúdo com formação em linguística e especialização em comunicação digital. Amante de marketing, negócios e tecnologia.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.