Por muito tempo realizar a análise financeira pessoal ou empresarial foi uma tarefa temida até mesmo pelos melhores profissionais da área. 

Afinal, no Brasil, o tema nunca foi tratado com a devida relevância, ficando sempre bem longe das salas de aula e conteúdos didáticos, além de ser uma atividade pouco realizada no cotidiano.

Segundo pesquisa publicada no G1, o Brasil está na 74ª posição do ranking que mede os níveis de educação financeira ao redor do globo. 

Por aqui, dois em cada três cidadãos não sabem responder perguntas básicas sobre o seu orçamento e planejamento mensal, o que leva a um acúmulo de dívidas e ao fechamento precoce de muitas companhias por falência.

Com base nesses números, fica claro que quem deseja empreender ou ver a empresa na qual trabalha crescer dentro do mercado precisa investir em conhecimento sobre esse tema. 

Apenas desse modo é possível aprender a realizar uma administração correta, eficaz e efetiva dos gastos e lucros da companhia.

Pensando nisso, neste artigo vamos compartilhar dicas sobre como realizar uma completa análise econômica e financeira empresarial, abordando dos aspectos mais simples até os indicadores necessários para o sucesso dessa operação. 

Continue acompanhando e descubra tudo sobre esse tema!

O que é análise financeira

A análise financeira permite que aos diretores perceberam o desenvolvimento da organização e planejarem os próximos caminhos.  

Chamamos de análise financeira toda a operação realizada com o objetivo de entender e descobrir novos indicativos sobre a situação orçamentária de uma organização. Através dela, realiza-se uma pesquisa interna em todos os setores, estoques e pontos de retenção monetária, com o objetivo de saber em detalhes como estão as finanças da companhia.

Quando é realizada a análise da situação financeira da corporação, pode-se entender com mais exatidão a porcentagem de gastos e lucros dentro do dia a dia empresarial. 

Além disso, valores de capital parado e em rotação também são calculados, proporcionando uma visão exata da questão monetária dessa empresa.

Nesse cenário, os gestores e a direção conseguem entender quais são os pontos que merecem um maior direcionamento de esforços e investimentos, bem como os gaps que estão causando grandes perdas. 

Desse modo, a instituição passa a se tornar mais rentável, trabalhando de modo a minimizar desperdícios e a otimizar toda a sua operação.

Ademais, os indicadores de estrutura também são sinalizadores importantes sobre o momento correto de investir ou reter capital dentro da companhia. Por meio deles, os acionistas se tornam mais cientes da representatividade da empresa dentro do mercado. 

Assim, podem realizar um bom planejamento anual, visando o constante crescimento e multiplicação da lucratividade da empresa.

O que é viabilidade econômica?

A viabilidade econômica se trata de um processo que, conforme o próprio nome indica, visa informar se determinados investimentos ou ações são viáveis a partir da perspectiva financeira da organização. 

Por meio de uma análise realizada com base em indicadores financeiros, a gestão da corporação pode evitar prejuízos com atitudes incorretas frente ao mercado.

Em um cenário atual no qual diversos investidores encontram-se em situações de altíssimo risco, fica evidente o quanto essa etapa é não apenas importante, mas essencial dentro das empresas.

O motivo é simples: no contexto onde a tendência é uma possível crise financeira, ter prejuízo por causa de ações incorretas da companhia, pode significar perdas enormes, e, em casos mais drásticos, a temida falência.

Dentro da análise de viabilidade financeira são colocados na balança fatores como: possíveis recebíveis, perspectivas de vendas, situação atual dos principais clientes, números de estoque e capacidade produtiva.

Quando a pesquisa é finalizada, são oferecidos dados financeiros, os quais devem ser interpretados pelos profissionais da companhia.

Nesses casos, é importante ressaltar que não há apenas uma resposta correta e sim, diversos fatores de influência direta na tomada de decisão. 

Por esse motivo se faz necessário um estudo intenso e focado, visando diminuir ao máximo os riscos de uma queda nos lucros e preservando o crescimento da corporação.

Como analisar a situação econômica e financeira de uma empresa?

Existem diversos métodos e princípios para realizar a análise financeira de acordo com os objetivos da empresa.

Como citamos, infelizmente não há uma fórmula pronta que forneça um molde exato e correto para a análise financeira das empresas. 

No entanto, alguns padrões costumam se repetir em diversos modelos de companhias, os quais podem ser tomados como base para que erros sejam evitados.

Dentre eles, destacamos dois indicadores econômicos que devem ser levados em conta na hora da tomada de decisão. Confira abaixo!

1.   Balanço patrimonial

Para descobrir a viabilidade econômica de um projeto, nada é mais esclarecedor que o balanço patrimonial da companhia. Através dele é possível ter uma visão ampla e geral sobre a atual situação da empresa e se um corte de gastos é necessário.

Indicadores financeiros como créditos, débitos, ativos e passivos, bens e dívidas terceirizadas são expostos em detalhes, permitindo uma compreensão total do orçamento da organização.

2.   Análise Conjunta a DRE

DRE ou Demonstração do Resultado do Exercício se trata de um relatório informativo extremamente necessário para realizar uma correta organização e planejamento de uma empresa. 

Sua meta é a demonstração expressa do resultado líquido do trabalho da companhia, de forma qualitativa e quantitativa.

Em outras palavras, por meio dele, pode-se descobrir, de fato, qual é a porcentagem de lucro que a corporação possui no momento atual. Assim, pode-se investir de maneira inteligente, focada em parcelas cabíveis a situação da empresa.

Quais são os indicadores financeiros?

Os indicadores financeiros nada mais são que mecanismos utilizados para a análise das demonstrações financeiras da companhia. 

Eles variam conforme o porte e área de trabalho da empresa, porém, alguns mais recorrentes e de grande relevância são o fluxo de caixa, margem de contribuição e regime de competências.

Cada um deles fornece diferentes resultados, os quais são levados em conta para a tomada de decisão de investimentos. A partir das demonstrações obtidas e analisadas, é possível organizar de maneira parcial os prós e contras da situação da companhia, obtendo uma resposta final ainda mais confiável.

O fluxo de caixa, por exemplo, fornecerá uma base sobre a entrada e saída monetária da empresa em diferentes épocas do ano. Através dele, pode-se descobrir mais sobre o melhor período para realizar o investimento de acordo com o recebimento de capital.

Já a margem de contribuição representa as quantias que sobram da receita obtida pela venda de um produto. Por meio dela, entende-se de maneira simples e direta se a comercialização de determinados itens é compensatória para a empresa e se resulta em lucros significativos.

Qual a importância da análise das demonstrações para uma empresa?

Falar sobre análise financeira de uma empresa é tratar diretamente sobre um entendimento de sua situação econômica. 

É através deste estudo que a gestão adquire uma resposta exata sobre a efetividade de suas atividades, bem como sobre o possível cenário futuro dessa empresa.

Segundo uma matéria publicada na CNN Brasil, apenas em 2020, mais de 600 mil micro empresas já fecharam suas portas durante a crise. Esse número se torna ainda mais representativo quando nos damos conta de que o encerramento de atividades está diretamente ligado a ausência de uma reserva financeira para emergências.

Em outras palavras, companhias que não possuem plena ciência de sua situação econômica, não possuem o planejamento financeiro adequado para lidar com tempos de queda

Portanto, raramente conseguem se manter de pé em momentos de recessão e crises inesperadas.

Em vista disso, fica evidente que importância das análises é grande não apenas para evitar prejuízos, mas para garantir uma fluência das atividades de trabalho a longo prazo.

O que é análise vertical e horizontal?

Dentro da análise de indicadores financeiros existem duas subcategorias de grande relevância aos estudiosos: análise vertical e horizontal. Elas se tratam de dois formatos diferentes de observação do balanço, fornecendo resultados diversos para tomada de decisões.

A análise vertical, também chamada de análise de estrutura, verifica a participação percentual do demonstrativo econômico da companhia. Como o próprio nome indica, pode ser realizada de baixo para cima ou de cima para baixo, fornecendo resultados em forma de cascata.

Já a análise horizontal é realizada com base em uma linha do tempo, fazendo comparações entre valores antigos e atuais. Desse modo, se torna mais simples ver a progressão de cada indicativo, colhendo previsões para os próximos períodos e fazendo o planejamento em cima de números factíveis.

Análise financeira como precaução para a crise: como se preparar para tempos difíceis

Em meio a crises econômicas a análise financeira pode guiar as melhores alternativas para as organizações. 

Segundo o economista britânico Sam Wilkin (autor do livro Wealth Secrets of the One Percent), em entrevista para a BBC, nos anos 60 apenas 1% das empresas obtiam lucros considerados grandes. Atualmente, esse número chega aos 14%, representando um crescimento altíssimo na obtenção de capital para os empreendedores.

Nesse cenário, é inexorável que a economia mundial apresenta uma perspectiva de constante crescimento, mesmo em frente à crise. No entanto, para que a curva de ascensão continue favorável é necessário não apenas investir em produção e vendas, mas na organização dos lucros e também na preservação da renda.

Ao passo que o capital de giro é um fator primordial para a manutenção das atividades durante tempos de queda de demanda, é preciso trabalhar em investigações exatas, eficazes e efetivas para o cálculo do valor rotativo. Apenas desse modo torna-se possível manter as injeções financeiras durante as baixas e linha da empresa em funcionamento.

Além disso, desde os anos 60 e 70, quando a metodologia Lean dava seus primeiros passos em expansão pelo Japão, a evidência de que o controle de estoque é essencial para a saúde da empresa veio a tona. 

Produtos parados e com baixo poder de comercialização representam capital morto, podendo evoluir para prejuízos futuros. Diminuí-lo é o primeiro passo para tornar a companhia saudável e aumentar sua liberdade de atuação.

Nesse cenário, a análise das demonstrações financeiras se mostra uma tarefa ainda mais necessária para descobrir o potencial da organização frente às suas possibilidades de lucro.

Sendo assim, é preciso investir em profissionais qualificados e atualizados dentro das tendências do mercado, visando um planejamento adequado para todos os setores da companhia e que mostrem em seus relatórios, quais caminhos que a empresa deve seguir para manter o seu crescimento.

Parafraseando Warren Edward Buffett, investidor e filantropo americano, “não importa o quão sereno o dia pode ser, o amanhã é sempre incerto”. Portanto, buscar por novos meios de assegurar a sobrevivência da companhia em épocas de crise é sempre a melhor alternativa para permanecer em pé dentro do mercado.

Desse modo, se você deseja saber mais sobre análise financeira e outros temas cabíveis ao mundo corporativo, continue acompanhando o nosso blog. Por aqui manteremos você atualizado e com o conhecimento necessário para seguir no caminho do sucesso junto com a sua empresa! 

Gostou? Compartilhe!

Por: Fernanda Capella

Coordenadora de Marketing de Conteúdo, copywriter, especialista em conteúdo de performance e comunicação. Amante de tecnologia, negócios, café e gastronomia.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.